domingo, 6 de novembro de 2011

O mundo dos jornalistas

Muito se fala sobre a imprensa, mas pouco se conhece sobre o trabalho do jornalista. Visando preencher essa lacuna, a antropóloga Isabel Travancas faz um mergulho nas redações de jornais, rádios e TVs para acompanhar repórteres desde sua chegada ao trabalho até a produção da notícia. Nesse percurso, descortina uma carreira que, para muitos, é cheia de glamour e ligações com o poder, mas, na realidade, exige devoção extrema dos profissionais que a ela se dedicam. Recheado de depoimentos de jornalistas iniciantes e de veteranos como Janio de Freitas e Zuenir Ventura, o livro O mundo dos jornalistas (168 p., R$ 40,90), lançamento da Summus Editorial, em edição revista, mostra que a profissão de repórter demanda, ao mesmo tempo, habilidade de correr contra o relógio, capacidade de gerenciar o estresse e, acima de tudo, paixão pelo que se faz. “É uma reedição com sabor de primícias, um observatório que vale a pena compartilhar”, afirma o jornalista Alberto Dines, que assina o prefácio do livro. Para ele, a obra oferece um olhar sobre um recanto muito especial da sociedade moderna, onde a realidade transforma-se em notícia e o relato do acontecido em nova realidade.
Pioneiro na abordagem do tema, o livro, já consagrado nos cursos de comunicação, revela a identidade do jornalista, traçando o perfil dessa profissão que está entre as mais disputadas do vestibular. A partir de uma pesquisa antropológica, realizada no início da década de 1990, a autora discute em que medida essa relação com a profissão é fundamental para o grupo estudado, de que forma ela se dá e como esses indivíduos se veem na sociedade. “Ao longo desses anos, o livro ganhou vida própria e tem me proporcionado importantes encontros e discussões”, afirma a autora. Na sua avaliação, a obra é o retrato de um grupo profissional em um importante momento de transição do século XX.
Essa quarta edição da obra traz novas informações a respeito dos jornalistas, da redação e das rotinas do século XXI, já com a presença inexorável dos computadores e da Internet na vida desses profissionais, além das notas de atualização nas entrevistas dos veteranos. Ao longo da obra, a autora apresenta as distinções que percebeu entre os entrevistados e mostra também a imagem que a sociedade tem do jornalista, que oscila entre o herói e o bandido. “Ou ele é visto como alguém com prestígio e poder, ou é tido como um marginal ou mesmo um elemento perigoso”, complementa. Para ela, os jornalistas estabelecem uma relação bastante específica com sua ocupação, o que não ocorre com outros profissionais.
No primeiro capítulo, “Os habitantes da redação”, a autora apresenta o profissional e seu local de trabalho. Utilizando a ideia de separação entre casa e rua, faz uma descrição sucinta do dia a dia de um repórter de jornal, destacando que os jornalistas não são donos do seu tempo. A vida diária de um repórter é o tema do segundo capítulo, em que a autora se aproxima do jornalista, acompanhando seu dia a dia, para apreender o funcionamento, as rotinas e as semelhanças na vida de cada um.
No capítulo “Os eternos jornalistas”, a antropóloga dedica-se ao grupo de jornalistas com mais de vinte anos de carreira, que, nos depoimentos, contam um pouco de sua história de vida, do porquê da escolha dessa profissão e suas consequências. Eles falam ainda sobre a importância dessa atividade, que gerou um estilo de vida e uma visão de mundo muito próprios.
Depois de analisar jornalistas mais experientes, a autora estuda, no quarto capítulo, os jovens jornalistas. Na sua avaliação, os dois grupos apresentam distinções causadas principalmente pelos diferentes momentos em que se encontram em suas trajetórias de vida. Mostra que ambos dão enorme ênfase à carreira, sendo categóricos ao afirmar que sua identidade social se define pelo ser jornalista.
No último capítulo, a autora apresenta os dados obtidos ao longo de sua pesquisa, além de uma discussão sobre as fronteiras entre o público e o privado. Com base nesses elementos, constrói a identidade social do jornalista.
A autora
Isabel Travancas é jornalista pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), mestre em Antropologia Social pelo Museu Nacional/UFRJ e doutora em Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Pós-doutora em Antropologia pelo Museu Nacional/UFRJ, é autora de O livro no jornal (Ateliê, 2001) e Juventude e televisão (FGV, 2007). É ainda organizadora de Novas seletas – Lima Barreto (Nova Fronteira, 2004) e Antropologia e comunicação (Garamond, 2003, com Patrícia Farias).
Título: O mundo dos jornalistas - 4ª edição revista
Autora: Isabel Travancas
Editora: Summus Editorial
Preço: R$ 40,90
Páginas: 168
ISBN: 978-85-323-0655-5
Atendimento ao consumidor: 11-3865-9890
Site: www.summus.com.br
Mais informações com Ana Paula Alencar
11-4787-1322
11-9771-7336
Skype: anapealencar
Twitter: @anapaula_press

Nenhum comentário:

Postar um comentário